Crônica do Dia – Vamos comer os cães – Por Whisner Fraga.

Há muitos cães vadios que conclamam a preguiça pelas calçadas enquanto comemoram com outros animaiso cio da vida.

Whisner Fraga 

Whisner Fraga

Há muitos cães desordeiros que comem os restos de nossos jantares nas sarjetas da pequena cidade imoral.

Há muitos cães libidinosos que rasgam os sacos de supermercados atulhados de lixos da hora anterior, espalhando pelo asfalto o asco de nosso cotidiano.

Há cães insolentes que perseguem os poodles perfumados das famílias honestas da pequena cidade escandalizada.

Não há esterilização que resolva.

Não há agulha e seringa que o poder público consiga adquirir em leilões fraudulentos e reciclagens incestuosas de desculpas franqueadas.

Não há chumbinho para tanta vingança.

Há muitos cães desabrigados que certo dia tiveram a proteção de uma família honesta.

É pena tanto cão para pouca morte.

Vamos comer os cães, sugeriu o esfaimado na corte dos justos.

Há lombo, há pernil, há nacos de carne cujos nomes teremos de inventar.

Há muitas panelas para ferver, cozinhar, fritar, assar, marinar, gratinar e hávários bocados de cães.

Há muitos cães boêmios que uivam o medo em nossos sonhos honestos.

Vamos esterilizar e depois comer os cães.

É o mais justo nesse tempo de justiça.

Votem: aqueles a favor permaneçam como estão!

Categorias: Whisner Fraga

Sobre o Autor

Whisner Fraga

É escritor. Autor de oito livros, dentre eles: “Lúcifer e outros subprodutos do medo”, Editora Penalux, 2016. Teve texto traduzido para o alemão, por ocasião da Feira de Frankfurt, em 2013.

Comentar

O seu endereço de e-mail não será publicado.
Campos obrigatórios*