Coluna do Dia – Cavalgada de Santana – Por Carlos Pinheiro

Quem ainda não foi deve agendar presença no próximo ano.

Carlos Pinheiro

Carlos Pinheiro

A Cavalgada de Santana chegou à Fazenda Mandacaru, quando a Lua Cheia, aureolada por névoa fininha, lançou raios prateados à beleza de amazonas paramentadas com extrema beleza, dominando corcéis fogosos de porte elegantes, no trote cadenciado no ritmo forró do poeta Petrúcio Amorim, exaltando o canto e a dança às dezenas de pessoas que se aconchegaram em amizades neste evento que se mantém ininterrupto por 16 anos e prestigiado por aqueles que gostam de rever amigos concentrados na Pousada da Paixão, confortável manjedoura instalada nos muros do majestoso Teatro de Fazenda Nova, mantido e ampliado por Robinho e Tânia Pacheco.

Quem ainda não foi deve agendar presença no próximo ano. A Pousada aconchega em ambiente cercado por pedras e tijolões de época, edificando muros e palcos que podem ser visitados detalhadamente sem multidões, já que se tem a oportunidade de caminhar silenciosamente dentre muralhas, contemplar ruas, praças e ruelas a lembrar de Roma antiga e arrepiar sensação única de que já se viveu em lugar parecido, quem sabe lembranças inexplicáveis que teimam em não abandonar.

Após o café da manhã seguinte e descansado em confortável apartamento, tipo refúgio no tempo, pode-se caminhar em espaço decorado no passado e os mais emocionáveis podem ter a companhia sensitiva de alguém arrastando grilhões, espadado por centurião ou cristão fugaz de leões com a indiferença de mulher com pote d’água à cabeça, que caminha cantarolando, indiferente, num mistério único àqueles dotados de mediunidade existencial.

Antes da Cavalgada, concentrou amigos ao sabor de comidas e bebidas típicas dos chefs André e Lígia Teixeira. Foi lá, juntamente com o amigo Fernandinho Souto, que desfrutamos do convívio com João Paulo, que não é filho do Papa, mas esposo da bela, jovem e inteligente prefeita do município Primavera, Dayse Juliana, que nos falou de sua terra com ternura e do povoado Pedra Branca, onde se localiza a maior cachoeira de Pernambuco, balneário de concentração de pessoas amantes da natureza.

A Cavalgada trotou pelas ruas de Fazenda Nova e pela aridez da caatinga, registrando-se queda desejada de belíssima amazonas nos braços de vaqueiro enxerido.

Vê se pode?

Sobre o Autor

Carlos Pinheiro

Jornalista caruaruense que escreve toda semana, no Jornal Vanguarda, uma “Coluninha indiscreta”. Da qual extraímos este conto.

Deixe um comentário

Você está autenticado como Carlos Pinheiro | Sair

Seja o Primeiro a Comentar!

Notify of
Carlos Pinheiro
wpDiscuz