Crônica do Dia – SOBRE CRÍTICA – Por Zélia Maria Freire

Você que escreve já teve suas obras criticadas, críticas essas azedas e nada favoráveis? Se, paciência… Dos hoje considerados gênios da literatura universal, na sua época tiveram suas obras criticadas também e nem sempre eram vistos como grandes escritores. Vejamos como eram vistos alguns desses monstros sagrados. Comecemos por…

Zélia Maria Freire

Zélia Maria Freire

TOLSTOI. Opinião de Paul Burget a seu respeito: “Tolstoi, com toda a sua força, é apenas um gênio informe e inacabado”.

MONTAIGNE. Opinião de Paul Claudel a seu respeito: “Montaigne é um espírito medíocre e superficial”.

STENDHAL. Suas obras eram vistas como desprovidas de qualquer valor.

GOETHE. Visto como destituido de espírito e considerado um asno.

GEORGE SAND. Considerada por Nietzsche como uma “incrível vaca de escrever”.

DESCARTES. Opinião de Voltaire: “ O sistema de Descartes é um tecido de imaginações errôneas e ridículas.

SHAKESPEARE. Considerado por Byron como um “impostor audacioso”

DANTE. Sobre ele disse Nietzsche “ Uma hiena que faz poesia entre os túmulos”.

NIETZSCHE. Opinião de Pepini: “Acaso não foi também ciumento da glória de Dante esse Nietzsche infeliz, que teve ciúmes de Jesus, na ordem religiosa, de Sócrates, no plano filosófico, de Wagner, na espera da música?”. Ainda sobre a obra de Nietzsche, disse o filósofo Karl Jasper: “Um campo de ruínas, coberto de destroços contraditórios”.

ALLAN POE. Já Henry James entendia que qualquer admiração pela obra de Poe indicaria apenas um primitivo estágio de raciocínio.

VICTOR HUGO. Opinião de Mallarmé: “Que grande poeta seria o Victor Hugo, se tivesse alguma coisa pra dizer. Mais outras opiniões: Barbey d”Aurélly: “ Uma grande fronte vazia”. Louis Veuillot: “Este homem não passa de uma águia de penas de pato”.

TCHEKOV:. Opinião de Tostoi:“ Você sabe como eu detesto o teatro de Shakespeare. Pois bem: o seu é pior ainda!.”

JAMES JOYCE. Sobre sua obra “Ulisses” diz o crítico Oliver St John Gogarty : “Odisséia de esgoto”.

MOLIÈRE. Disse Fénelon: É lamentável que Molière não saiba escrever!”

ROUSSEAU. Opinião de Proudhon sobre o discurso “As Letras e as Artes”: só contém um quarto de verdade, a este quarto de verdade ele tornou-o inútil pelo paradoxo.
Pois é, meus amigos, o tempo passou e esses escritores de então, criticados tão severamente entre si, tem hoje o reconhecimento e a imortalidade de suas obras e passaram para a história como verdadeiros gênios da literatura universal.


***********************

(Fonte de pesquisa: A BIBLIOTECA E SEUS HABITANTES do escritor Américo de Oliveira Costa

Categorias: Zélia Maria Freire

Sobre o Autor

Zélia Maria Freire

ZÉLIA MARIA FREIRE
É membro da Academia Feminina de Letras do Rio Grande do Norte, autora do livro “EU TINHA UM PEDAÇO DE MAR” Foi classificada no concurso de poesias John Perry em Dallas USA. Escreve para o Recanto das Letras, mais de 1.300 textos publicados e agora, também, para o Jornal de Caruaru.

Deixe um comentário

Você está autenticado como Zélia Maria Freire | Sair

Seja o Primeiro a Comentar!

Notify of
Zélia Maria Freire
wpDiscuz