Crônica do Dia – TELHADO DE VIDRO – por Franciólli Luciano

Um grupo de pessoas discutia, com uns enaltecendo suas qualidades e outros apontando os defeitos dos outros…

Franciólli Luciano

O vozerio às vezes tomava proporções e tom mais agressivo parecendo que ali poderia ter uma desavença grave…

Acompanhando tudo do seu canto sem verbalizar nada, aquele senhor apenas observava as ações estabanadas do grupo com um, querendo ser melhor que o outro…

Em nenhum momento, nenhum dos elementos do grupo apontava uma falha sua, ou um vacilo, enumerando e apontando os dos outros…

Cada um se dizia o salvador da pátria e enumerava os motivos e a cartilha a qual todos deveriam seguir ridicularizando a todos jogando lama para todos os lados atingindo até quem estava fora da questão…

O grupo se acirrava cada vez mais defendendo veementemente, dizendo que só eles e somente eles, é que estavam certos e todos os demais estavam errados sendo eles os adversários, merecedores de punição severa e quem sabe talvez a execração pública…

Nenhuma das pessoas dos grupos que se insultavam, prestava atenção naquele que apenas ouvia como que filtrando tudo e tentando separar as ideias e palavras jogadas ao ar por eles que se digladiavam com se fossem um bando de hienas, com cada um querendo ter o melhor pedaço da vitima ainda de pé…

E assim seguiam se ofendendo e agredindo uns aos outros, com cada um querendo ser o dono da razão e da verdade, como se os demais não tivessem o mínimo de razão ou verdade…

Foi quando um dos mais afoitos do grupo virou-se para o homem que somente ouvia tudo o tempo todo sem se pronunciar e perguntou:- e você não diz nada?

Ao que ele respondeu apanhando uma pedrinha no chão: peço aos senhores que se afastem uns dos outros ou fiquem onde estão após eu jogar esta pedrinha para o ar…

E sem perder tempo jogou a pedrinha para o ar e todos se afastaram imediatamente e numa voz só perguntaram:

O que isto significa rapaz?

Ao que o homem disse: se os senhores correram com medo de uma simples pedrinha devem saber o que significa.

E dando as costas saiu sem dar mais atenção a nenhum deles e comentou para si: deviam antes era cuidar de si, perigoso mesmo, é alguém jogar uma pedrinha e o teto vir abaixo sobre suas cabeças, eles se esquecem de que tem telhado de vidro…

Categorias: Franciólli Luciano

Sobre o Autor

Franciólli Luciano

É ator, dramaturgo, teatrólogo, diretor, roteirista, cineasta, Jornalista, radialista, cronista social e palestrante. Atuou nas novelas; voltei pra você, guerra dos sexos, vereda tropical, partido alto, um sonho a mais, felicidade, dono do mundo e a próxima vítima na rede globo de televisão.

Comentar

O seu endereço de e-mail não será publicado.
Campos obrigatórios*