Contos do Carlos Pinheiro

Voltar à Página Principal
Contos do Carlos Pinheiro

Coluna do Dia – Capital de quê? – Por Carlos Pinheiro

“Bar é lugar de conversar, beber e comer e não de música pessoal estridente que cala a todos e revela o idiota que alguns se revelam ser.” Começo de governo

Contos do Carlos Pinheiro

Coluna do Dia – Telegrama quase fatal – Por Carlos Pinheiro

Aos jovens de comunicação rápida de hoje, é necessário dizer que telegrama era uma mensagem curta que se mandava pelo telégrafo, comumente o chefe da estação de trem, para outra

Contos do Carlos Pinheiro

Coluna do Dia – Argolas indígenas – Por Carlos Pinheiro

“O pensamento parecia viajar sobre os acordes da banda de Alceu Valença, cruzando os maracatus do mestre Dadá Vasconcelos” Sentando em calçada de barzinho, admirava lindas folionas no arrasto do

Contos do Carlos Pinheiro

Coluna do Dia – Rei Momo fora de perigo – Por Carlos Pinheiro

“Quando afirmamos que o pré-Carnaval está salvo é porque, na semana que passou, até baile de Carnaval tivemos” Ufa! Conseguimos! O pré-Carnaval de Caruaru se afirma e resgata a nossa

Contos do Carlos Pinheiro

Coluna do Dia – Em banco alto – Por Carlos Pinheiro

Tão logo D. Helena da Sucata abriu o bar, o Velho Folião se instalou na calçada em banco alto, muito alto, onde se sentou trajando vermelho e branco do Comércio,

Contos do Carlos Pinheiro

Crônica do Dia – Agonia noturna – Por Carlos Pinheiro

“E, aí, meu nego, vai comigo ou vou sozinha”? Por sorte a cama era larga e aconchegava seu grande corpo e suas agônicas lembranças do Carnaval de Caruaru com confetes,

Contos do Carlos Pinheiro

Coluna do Dia – Carne-bêba – Por Carlos Pinheiro

Carne-bêba era negro magro, desbarrigado, tido pela comunidade como doido, mas de maluco não tinha nada, só não gostava de tomar banho e acusava a seca por tornar os homens

Contos do Carlos Pinheiro

Coluna do Dia – “Nem faz caso do luar” – Por Carlos Pinheiro

Ah! Como gostaria de dizer como antigamente: “Choveu a noite toda”! Mas, a chuva não vem há seis anos. Imagine o que é viver no Agreste esturricado de Pernambuco sem

Contos do Carlos Pinheiro

Coluna do Dia – Pote d’água na cabeça – Por Carlos Pinheiro

Seis anos sem chover em Caruaru e o povo ainda consegue sorrir, fazer festa com Trio Pé-de-Serra; bebe, dança e canta como se o paraíso fosse aqui. E é. Mas,

Contos do Carlos Pinheiro

Coluna do Dia – Propinodólar – Por Carlos Pinheiro

“Fico imaginando o quanto custou as calcinhas de Adrianinha e as cuecas de Serginho?” O Rio de Janeiro continua quebrado, insolvente e por roubalheira de Sérgio Cabral do PMDB, da

Contos do Carlos Pinheiro

Coluna do Dia – E a menina se tornou prefeita – Por Carlos Pinheiro

Não digo que vi Raquel Lyra nascer porque não sou médico parteiro nem exagero na intimidade com a família Lyra. Mas a vi crescer junto com a sua irmã Nara

Contos do Carlos Pinheiro

Coluna do Dia – Papai Noel de bicicleta – Por Carlos Pinheiro

Nada se compara em termo de ansiedade à aflição da criança inocente à espera de Papai Noel em Noite de Natal. O que se passa na cabeça infantil, no imaginário

Contos do Carlos Pinheiro

Coluna do Dia – A tulipa roxa – Por Carlos Pinheiro

Na internet, de vez em quando, a gente encontra coisa primorosa, digna de reprodução e de autor desconhecido. Fiz uns retoques e passo pra vocês. Zé namorava Maria, moreninha de

Contos do Carlos Pinheiro

Coluna do Dia – “Sem rádio nem notícias das terras civilizadas” – Por Carlos Pinheiro

Estou pensando seriamente em me exilar completamente aqui no sítio, desfazer-me do computador, do telefone, desligar rádio e televisão, me alienar da vida social deste país. Hoje, aos sábados, vou

Contos do Carlos Pinheiro

Coluna do Dia – As mãos habilidosas de Joel Galdino – Por Carlos Pinheiro

O acervo das peças figurativas do Mestre Galdino é o retrato fiel do Nordeste. São 13 obras de arte que tratam diretamente do sagrado, dos mitos, do profano, sob o

Contos do Carlos Pinheiro

Coluna do Dia – O mundo está mais leve – Por Carlos Pinheiro

Com a morte do ditador Fidel Castro o mundo faz sua translação sorridente, respirando aliviado em se ver livre daquele que matou milhares de pessoas no Paredon apenas por discordarem