Zélia Maria Freire

Voltar à Página Principal
Zélia Maria Freire

Crônica do Dia – LUCRÉCIO E A SUA SEMENTE DE VERDADE – Por Zélia Maria Freire

“A alma não passa de um conjunto de átomos que se desintegram com o corpo” Sem nenhuma inspiração, resolvi dá um mergulho no tempo, coisa entre 98/55 a.C. e encontrei por

Zélia Maria Freire

Crônica do Dia – DA ARTE DE SER AMIGO – Por Zélia Maria Freire

Aristóteles acreditava que a amizade é a mais importante realização da vida dos seres humanos. Também acredito que assim seja, e gosto de falar sobre isto. Muito se tem escrito

Zélia Maria Freire

Crônica do Dia – NÃO ERA BEM O CENÁRIO QUE EU QUERIA – Por Zélia Maria Freire

Eis que é chegada a hora de sentar diante desta maquininha infernal e batucando suas teclas tentar coordenar o palanfrório. E, enquanto os dedos não recebem os impulsos emitidos do

Zélia Maria Freire

Crônica do Dia –  REPENSANDO O JÁ PENSADO – Por Zélia Maria Freire

Ver o Mundo num Grão de Areia E o Firmamento numa Selvagem Flor Segurar o Infinito na palma da mão E a eternidade numa hora que for. (William Blake) Afirma

Zélia Maria Freire

Crônica do Dia – A PALAVRA PRESERVA O CONTATO –  O  SILÊNCIO ISOLA – Por Zélia Maria Freire

Gosto de jogar bolinhas de papel na tela do computador enquanto penso na morte da bezerra, mais parecendo o tolo de Moliere, que não diz nada, apenas amarga o silêncio

Zélia Maria Freire

Crônica do Dia – OS OLHOS QUE O TEMPO TEM – Por Zélia Maria Freire

O tempo não passa O tempo não morre Você passa Você morre O tempo só lhe olha Com os olhos que o tempo tem (Zélia Freire) Afinal, passamos nós ou

Zélia Maria Freire

Crônica do Dia – UMA HISTÓRIA FELIZ – Por Zélia Maria Freire

- Mamãe, está chegando o Natal, escreva uma história feliz. O pedido me foi feito por Cláudia, uma das minhas filhas. Pedido difícil este da Cláudia. Gostaria que o meu

Zélia Maria Freire

Crônica do Dia – “ESTOU FARTO DO LIRISMO COMEDIDO” – Por Zélia Maria freire

Confesso que tenho cá as minhas idéias anarquistas, mas responsáveis, levando-se em consideração os princípios doutrinais poéticos, sociais e culturais. Este pensamento me leva a primeira fase do Modernismo brasileiro

Zélia Maria Freire

Crônica do Dia – VOCÊ SABE POR QUE EXISTE? – Por Zélia Maria Freire

Ontem quando fui dormir não fechei as janelas nem cerrei a cortinas. Hoje fui acordada pela claridade que invadiu o quarto. Diante de mim, postado na parede estava ele com

Zélia Maria Freire

Crônica do Dia – OUVIDOS MOUCOS (EC) – Por Zélia Maria Freire

Quem de nós já não se deparou com ouvidos moucos ante as nossas verdades, ante os nossos sentimentos? Quem de nós já não amargou a derrota de nossos argumentos perante

Zélia Maria Freire

Crônica do Dia – ORA DIREIS, A COTOVIA NEM CANTOU, É CEDO AINDA – Por Zélia Maria Freire

“Que permaneça a substituição do chocalho pelo cartão magnético. E que o preço de cada um seja o valor de uma bolsa-família.” Hoje amanheci pensando no nosso jeito de ser,

Zélia Maria Freire

Crônica do Dia – PROCURA-SE UMA POMBA DE UMA ASA SÓ – Por Zélia Maria Freire

“Vive-se. A que será que se destina?” (Caetano?) Já que o assunto me interessa, dizei-me vós leitor, se o ninho da pomba com uma asa só na ponta de um

Zélia Maria Freire

Crônica do Dia – A MAMÃE VIÚVA – Por Zélia Maria Freire

Não que tivesse sido de todo mau marido, mas depois de morto tornou-se. Estourou os miolos num desastre de jeep. Morreu quando não podia ter morrido. E sem INSS nem

Zélia Maria Freire

Crônica do Dia – SERÁ QUE A TIA FOI PRO CÉU…? – Por Zélia Maria Freire

Tive eu uma tia-avó chamada Dulcinéia, que era nanica por subnutrição, caritó por não ter tido outra opção e que fazia bonecas de pano para vender na feira e com

Zélia Maria Freire

Crônica do Dia – Maneiras de conversar – Por Zélia Maria Freire

Ultimamente ando conversando muito sobre o passado, o que está me deixando cismada… Será que este meu interesse pelas coisas idas, significa a velhice chegando e eu chegando ao fim…?

Zélia Maria Freire

Crônica do Dia – O QUE TU ESPERAS E OS TEUS OLHOS VEEM? – Por Zélia Maria Freire

“Lamento, mas não posso ajudar, já que o teu amor morreu. Morreu está morto, morto e enterrado.” Mas nem negros nem azuis são teus olhos meu amor… Seriam da cor