Coluna do Dia – Rufem nos tambores… – Por Carlos Pinheiro

…assoprem nos clarins, vistam fantasias, pintem-se para a batalha de alegria, beijos, abraços e muito frevo.

Carlos Pinheiro

Carlos Pinheiro

O Carnaval chega neste sábado, dia 03 de fevereiro, no Amaro’s Bar com concentração do Bloco Mulher de Todos os Dias, comandado por Laura Gomes e Josemar Pereira juntando foliões heróicos que não deixaram o Carnaval de Caruaru morrer. O bloco da resistência homenageia guerreiras mulheres: Maria do Carmo Rosal e Maria Clara Amorim, além do frevista do Boi Tira Teima, o Ernane, pessoas amantes do Carnaval que serão reverenciadas aos sons do frevo e do maracatu.

Concentrada em frente à Banca de Revistas Futura, da carnavalesca Soraya Ramos, a Troça dos Kannayas sob a batuta dos maestros Ronaldo e Teresa Maciel desfilam com o cetro da vitória pela luta travada em favor do nosso Carnaval, batalhas foram muitas, com foliões recalcitrantes, segurando o Carnaval que respirava por aparelhos, mas resistia moribundo, mas com a determinação de não morrer. Ufa!

O Carnaval de Caruaru está, finalmente, declarado sarado, curado, vivo, com muito vigor nos pés e na voz. Os gestores municipais que nada fizeram por ele no passado estão convidados a assistir o povo passar feliz nas avenidas, a sentir a garra da gente festeira, de muita alegria e agradecida à prefeita Raquel Lyra que, participando da festa, dotará o Largo da Estação com Bandas de Frevo, rufando tambores, soprando clarins, animando o povo, a quem se pede não enlamear a festa instalando sons com músicas alienígenas que nada tem a ver com o legítimo Carnaval de Caruaru. Deixe a música baiana para os baianos, e toquem o frevo, o maracatu, salvem o samba brasileiro. O compositor Ronaldo Maciel tem vários frevos de qualidade gravados. Divulguem. Toquem nos rádios, nos carros.

A nossa gratidão aos empedernidos foliões que não deixaram o Carnaval de Caruaru morrer, nossa homenagem aos gigantes Ronaldo e Teresa Maciel, Laura Gomes e Josemar Pereira, aos pequenos e espontâneos blocos que se formaram nos bairros contaminando o povo com o frevo e, neste ano, registrem o nascimento do bloco do Waldir Santos, o Quem Chupa Tá Aqui. Vôte! É de fruta que canta o bloco, gente.

Quando o povo quer, Deus providencia a fantasia, e o frevo passa na avenida.

Vê se pode?

Sobre o Autor

Carlos Pinheiro

Jornalista caruaruense que escreve toda semana, no Jornal Vanguarda, uma "Coluninha indiscreta". Da qual extraímos este conto.

Comentar

O seu endereço de e-mail não será publicado.
Campos obrigatórios*